O pastor, que seria dirigente de uma igreja na Cohab II de Garanhuns, é suspeito de manter a família em cárcere privado há seis anos. Ao chegarem à casa, os policiais e a delegada libertaram uma mulher de 29 anos e suas duas filhas, de 3 e 5 anos. A vítima afirmou ao ser encontrada que “vivia um filme de terror”, já que o marido levava as chaves e o controle do portão quando saía de casa.