A exigência de duas doses de vacina ou de um teste negativo de covid-19 para permitir a entrada de fiéis em templos com capacidade para mais de 300 pessoas é visto um gesto hostil às igrejas pelo jurista Jean Regina, vice-presidente do Instituto Brasileiro de Direito e Religião (IBDR). No Brasil, há estreita colaboração entre igrejas e o poder público, respeitando a laicidade do Estado. Essa parceria se nota através de programas sociais diversos, que vão além da atividade religiosa: “Vivemos uma laicidade brasileira que é colaborativa, a Igreja está colaborando com o Estado. As autoridades religiosas já tinham uma maturidade para entender a complexidade do problema. Mas o grande perigo de o Estado criar restrições à liberdade religiosa é que queiram construir raciocínios no sentido de tolher a liberdade religiosa”.