A Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP/DF) deu início, nesta quarta-feira (29), no Gama, à retirada de carros abandonados em mais uma edição da operação DF Livre de Carcaças. A ação seguirá até sexta-feira (1º) na região administrativa. Com isso, a pasta vai alcançar a marca de 700 veículos retirados de áreas públicas do DF, desde fevereiro de 2020, quando a ação teve início.

Os carros recolhidos são levados para o depósito do 3º Distrito Rodoviário, do DER/DF, onde os agentes de Vigilância Ambiental aplicam soluções na água parada e fazem o controle vetorial | Fotos: Ascom/SSP-DF

Além de contribuir com a sensação de segurança da população, a operação integra a série de medidas adotadas pelo GDF para eliminar focos do mosquito Aedes aegypti – transmissor de dengue, zika e chikungunya. As equipes da Segurança Pública ainda promovem trabalho educativo com moradores e comerciantes para retirada de veículos abandonados nas ruas.

“A ação mostra a interação e integração da segurança pública de forma geral e é primordial para evitar a proliferação do mosquito transmissor da dengue e outras arboviroses”
Marcelo Batista, coordenador dos Conselhos de Segurança (Consegs), na SSP/DF

“É uma operação de sucesso do Governo do Distrito Federal (GDF), onde a gente retira carcaças abandonadas que servem não só para possíveis práticas de crimes, como também para focos do mosquito da dengue”, apontou o secretário de Segurança, Júlio Danilo, durante cerimônia de abertura do projeto Cidade da Segurança Pública (CSP).

A administradora regional do Gama, Josiane Araújo Feitosa, elogiou a ação e constatou uma diminuição de focos de dengue na região. “O nosso índice diminuiu, uma queda efetiva de 98% na questão da dengue, ou seja, em um comparativo com maio do ano passado, o Gama registrava então 3.905 casos de dengue. Em maio de 2021, foram registrados cinco casos de dengue”, declarou Araújo.

Participam da operação DF Livre de Carcaças as secretarias Executiva de Cidades e DF Legal, o Departamento de Trânsito (Detran), a Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) e a Diretoria de Vigilância Ambiental (Dival), da Secretaria de Saúde. A Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) e o Departamento de Estradas de Rodagem (DER) também integram a operação.

A operação integra a série de medidas adotadas pelo GDF para eliminar focos do mosquito Aedes aegypti – transmissor de dengue, zika e chikungunya

Os carros recolhidos são levados para o depósito do 3º Distrito Rodoviário, do DER/DF, onde os agentes de Vigilância Ambiental aplicam soluções na água parada e fazem o controle vetorial.

Identificação

De acordo com o coordenador dos Conselhos de Segurança (Consegs), na SSP/DF, Marcelo Batista, a identificação dos carros abandonados acontece por meio da solicitação de cada delegacia do DF. “A ação mostra a interação e integração da segurança pública de forma geral e é primordial para evitar a proliferação do mosquito transmissor da dengue e outras arboviroses”, apontou Batista.

Segundo o coordenador, a população também pode contribuir com a identificação desses materiais, enviando para o e-mail do Conseg informações que facilitem a localização dos entulhos. “O veículo deve apresentar características como material abandonado, carro aberto e vidros quebrados, por exemplo”, destacou.

Ação pioneira

A DF Livre de Carcaças teve início em fevereiro de 2020 e já ocorreu em Samambaia, Candangolândia, Guará, Sudoeste, Taguatinga, SIA, Plano Piloto, Paranoá, Ceilândia, Santa Maria, Gama, Recanto das Emas, Riacho Fundo, Sobradinho, São Sebastião, Núcleo Bandeirante, Arniqueira, Riacho Fundo II, Cruzeiro e Planaltina.

Também foram contempladas as faixas de domínio do DER, pátios da 6ª, 15ª e 19ª Delegacias de Polícia e Setor de Oficinas Sul (SOF).