Projeto inaugura cozinha comunitária e agroecológica para

0
12


A agricultura familiar camponesa tem um papel importante na produção de alimentos no Brasil, mas são diversas as dificuldades que enfrentam. O processamento dos alimentos, a adequação sanitária e o escoamento da produção são alguns deles.

Foi pensando nessas dificuldades que o projeto “Ecoforte – Rede de Agroecologia da Zona da Mata de MG” propôs a construção de uma cozinha-escola, no município de Viçosa, na Zona da Mata em Minas Gerais.

É uma cozinha agroecológica e orgânica da economia solidária.

Desde março de 2019, o projeto busca aprimorar o comércio e a qualidade de produtos orgânicos na região. O objetivo é proporcionar às mulheres – que hoje vendem somente nas feiras – a possibilidade de comercializar em supermercados e restaurantes, com a criação de um Sistema Participativo de Garantia (SPG) da qualidade da produção orgânica.

O projeto Ecoforte é desenvolvido pelo Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata (CTA-ZM) e a cozinha comunitária financiada pela Fundação Banco do Brasil (FBB).

Leia mais: Sem apoio, agricultores perdem produtos enquanto populações vulneráveis passam fome

Como vai funcionar

Pensando no uso coletivo da cozinha e nas normas de segurança, que aumentaram nesse momento de pandemia da covid-19, a equipe do projeto está elaborando um documento para o uso e a forma de funcionamento da estrutura.  

A técnica do CTA Yolanda Maulaz explica que a cozinha é adequada à legislação sanitária. “A gente já teve nessa cozinha o direcionamento das regras sanitárias e também de como construir os documentos para orientar o coletivo. Nós contamos com o apoio de voluntários, representantes da Emater, da Epamig e o pessoal da Prefeitura, ligado à vigilância”, afirma.

“É importante dizer que a cozinha é coletiva, grande parte das demandas vem das mulheres (jovens, adultas e idosas), mas alguns homens têm procurado também e ela está aberta para o público que quer comercializar e gerar renda”, comenta Yolanda. “Aqui é uma cozinha agroecológica e orgânica da economia solidária”.

Futuramente, a cozinha também deve contar com cursos de boas práticas de processamento e capacitações para as pessoas e empreendimentos envolvidos.

Produtoras comemoram

A produtora Mirtes Magalhães, da Delícias Caseiras, é uma das mulheres que irá utilizar a cozinha e destaca que a iniciativa chega em boa hora, pois as feiras agroecológicas, seu principal espaço de comercialização, não estão funcionando presencialmente.

“A maior dificuldade hoje é que a gente tem que correr muito atrás e tentar vender por mensagem. Com a oportunidade de colocar os produtos no mercado, pelo menos você faz o produto sabendo para onde ele vai”, comemora.

Hoje, as cozinheiras vendem na Feira Agroecológica da Violeira, no Quintal Solidário e na Rede Raízes da Mata. A expectativa é que, com a estrutura e oportunidades da cozinha comunitária, possam ampliar e vender em mercados nos bairros, supermercados da cidade e do estado.

:: Receba notícias de Minas Gerais no seu Whatsapp. Clique aqui ::

Fonte: BdF Minas Gerais

Edição: Rodrigo Chagas e Rafaella Dotta



Source link

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here