Qual foi a melhor performance no semestre: Bitcoin, ouro, dólar ou ações?

0
31
Qual foi a melhor performance no semestre: Bitcoin, ouro, dólar ou ações?
Qual foi a melhor performance no semestre: Bitcoin, ouro, dólar ou ações?

Com o fim de um primeiro semestre movimentado, com o crash dos mercados em março derrubando diversos ativos – começando pelos contratos futuros de petróleo – e terminando com a valorização acumulada do ouro, das ações e do Bitcoin. Março teve dias para não esquecer para estes mercados.

Somente o Bitcoin, no dia 11, perdeu 45% de seu valor. Os preços do Bitcoin caíram de US$ 10.000 para US$ 3.867 nas duas primeiras semanas de março, levado pelo panic sell da Pandemia e provocando grandes vendas em todas as cadeias globais de valor, desencadeando uma corrida global por liquidez.

Capture 1200x716
Capture 1200×716

Imagem: Skew

De lá para cá, o cenário para as criptomoedas mudou bastante, traçando paralelo com as bolsas de valores nos últimos dois meses. O Bitcoin fechou o semestre em alta de 27% – subindo 120% ddesde o crash de março.

Com a alta acumulada, o Bitcoin conseguiu superar os metais preciosos, como ouro, títulos do governo e mercado de ações nos últimos meses, mas desde então tem se mantido preso na faixa dos US$ 9.200, com dificuldades para superar o nível dos US$ 10.000, que foi negado algumas vezes no semestre.

Ouro: a melhor performance

Em momentos de crises, os investidores buscam refúgio em qualquer coisa que lhes retorne lucro, sem os sobressaltos de ativos muito voláteis, como as ações e o Bitcoin.

O ouro nesse aspecto levou vantagem diante do Bitcoin e desafiou o conceito de que o Bitcoin é uma reserva de valor e que, no caso de uma grande crise, todos os investimentos do mundo rumariam para o Bitcoin.

GC=F YahooFinanceChart (5)
GC=F YahooFinanceChart (5)

Imagem: Yahoo! Finance

No gráfico acima, vemos a performance do ouro nos últimos 6 meses em comparação com o par BTC/USD. O ouro superou o Bitcoin, com um acumulado de 16.24% de valorização média, contra 13.40% do Bitcoin.

Há correlação entre ambos os ativos, como já sugeriram algumas casa de análises, como Fundstrat, Glassnode e IntoTheBlock.

O dólar e o ouro puxaram os investimentos também no Brasil, com a bolsa completando o segundo mês consecutivo de valorização, depois de também sofrer  em março. 

Screen Capture 20200713165957
Screen Capture 20200713165957

Imagem: Economática

 Dólar e ouro são historicamente os ativos mais visados pelos investidores nos países que enfrentam crise econômica, devido às crises financeiras e políticas, muito comuns dos países em desenvolvimento, haja visto a dolarização da economia argentina, que já dura mais de 30 anos.

O Brasil por sua vez, mesmo passando por muitas instabilidades políticas nos últimos 30 anos, desde o lançamento do Plano Real, conseguiu estabilizar sua moeda, mas a busca por ativos de proteção (hedge) é uma constante para os investidores mais preocupados com a instabilidade provocada pela pandemia.

image2
image2

Imagem: Rafael Lemos

Mercado de ações

De acordo com a consultoria Economática, o volume financeiro negociado na bolsa B3 no ano de 2020 até junho é equivalente a 84,6% do ano de 2019. O volume médio diário anual em 2020 é recorde histórico. Mesmo diante da queda de 24,4% com o crash de março.

gppjcjpiplbnokch
gppjcjpiplbnokch

Imagem: Economática

Nos dias 10 e 11 de março, os mercados de capitais derreteram e o mercado de criptoativos seguiu a tendência, perdendo 46% em um intervado de 24h. Na mesma toada, o índica brasileiro iBovespa caiu para 85.171 pontos, com recuo de 7,64%, estendendo as perdas da semana a 13,09%, as do mês a 18,24% e as do ano a 26,35%. A B3, controladora da Bovespa, estima perdas da ordem de R$ 50 bilhões.

Parte desse capital foi recuperado, em busca de ações mais propensas à valorizações, como as dos bancos e nas ações das empresas de tecnologia, que representariam ganhos mais voláteis a curto prazo.

Contudo, é importante destacar que, durante o crash de março, a fuga de capitais das maiores bolsas mundiais foi equivalente a todo o marketcap do Bitcoin, de acordo com o Marketwatch.

Qual foi o melhor investimento do semestre?

O Bitcoin ainda mantém mais valorização que a iBovespa. O Bitcoin ainda acumula alta de cerca de 9% em 2020, enquanto o iBovespa, por exemplo, tem queda de 22%. Já em doze meses, a criptomoeda acumula ganhos de quase 100%, ao passo que a bolsa brasileira recuou 8,6%.

Voltando ainda mais no tempo, o Bitcoin acumula valorização em cinco anos de 1.843%, enquanto a iBovespa acuma valorização de ‘apenas’ 70% no mesmo período.

No cenário geral, o Bitcoin e todos os outros ativos perderam para o ouro e este segue valorizado que todos os índices financeiros tradicionais.

GC=F YahooFinanceChart (7)
GC=F YahooFinanceChart (7)

Image: Yahoo!Finance

LEIA MAIS

 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here