CEO da Coinbase defende licenciamento da plataforma de análise blockchain para agências do governo

0
32
CEO da Coinbase defende licenciamento da plataforma de análise blockchain para agências do governo
CEO da Coinbase defende licenciamento da plataforma de análise blockchain para agências do governo

A Coinbase defendeu o licenciamento de seu software de análise, dizendo que se as pessoas realmente desejassem privacidade, as moedas de privacidade estavam por aí.

O CEO da Coinbase, Brian Armstrong, foi ao Twitter para falar sobre a Coinbase Analytics e a prática da empresa de licenciar a plataforma, explicando por que as exchanges de criptomoedas precisam ter algum tipo de software de análise para cumprir com os regulamentos bancários.

“As exchanges que mantêm conexões com o sistema financeiro existente (ou seja, capacidade de conectar sua conta bancária, fazer ligações, etc., para que você possa converter moeda fiduciária em criptomoeda) precisam seguir as leis de AML (anti-lavagem de dinheiro), e isso geralmente inclui a utilização de software de análise de blockchain para monitoramento de transações” Armstrong twittou. “Há muito que poderia ser melhor sobre as leis de AML existentes, e não as criamos – mas essas são as regras para operar uma exchange de criptomoedas legalmente”.

A exchange foi criticada nas mídias sociais no fim de semana depois de licenciar seu software de análise de blockchain para o Serviço Secreto dos EUA e para o Departamento de Segurança Interna dos EUA, conforme reportado pela primeira vez pelo The Block. Armstrong acrescentou que é caro criar uma plataforma de análise para que eles recuperem os custos com a venda. Ele disse que era importante ter um software de análise, particularmente como um meio de incentivar mais interação entre fiat e cripto.

O Serviço Secreto dos EUA, de fato, aumentou seu escrutínio de crimes cibernéticos. Recentemente, a agência lançou a Força-Tarefa de Fraude Cibernética e se concentrou no papel das criptomoedas em atividades ilegais online.

O CEO da Coinbase disse que as transações em uma blockchain pública já são rastreáveis, mesmo que a exchange nunca tenha vendido sua plataforma de análise a outras partes.

“Se as pessoas querem verdadeira privacidade, é para isso que servem as moedas da privacidade. Sou fã de moedas de privacidade porque acho que todos deveriam ter mais privacidade financeira. Será semelhante à forma como a internet mudou de HTTP para HTTPS ao longo do tempo”, disse ele.

Há rumores de que a Coinbase considera entrar no mercado de ações, mas ainda aguarda o sinal verde da Comissão de Valores Mobiliários (SEC). A exchange também contratou o ex-vice-conselheiro geral do Facebook, Paul Grewal, para integrar sua equipe jurídica, possivelmente enquanto se prepara para uma oferta pública inicial.

Leia mais:

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here